Sábado, 13 de julho de 2024
informe o texto

Notícias Política

Neri Geller é cotado para assessor especial no gabinete de Arthur Lira

Com trânsito no Legislativo, o ex-secretário de Política Agrícola se manteria entre os Poderes e continuaria pleiteando pautas em defesa ao agro

O ex-secretário de Política Agrícola, Neri Geller (PP), é cotado para atuar no gabinete do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Neri seria acomodado pelo correligionário no cargo de assessor especial, segundo a Coluna do Mazzini, no site Isto É. Essa seria a oportunidade de Geller manter seu trânsito entre os Poderes e continuar a defesa de pautas de interesse do agronegócio, sua principal bandeira. Entre as tarefas de Neri estaria a responsabilidade de cuidar pessoalmente das articulações para a sucessão de Lira na presidência. 

Ainda segundo a coluna, um bolsonarista deve ser nomeado nos próximos dias para a cadeira antes ocupada por Geller no Ministério da Agricultura (Mapa). Conforme Mazzini, a nomeação de uma figura ligada ao ex-presidente Jair Messias Bolsonaro é uma estratégia do governo federal para amenizar a imagem da gestão depois do cancelamento do leilão do arroz. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assiste a relação delicada com o agronegócio ficar ainda mais fragilizada. Lula quer fazer as pazes com o setor formado majoritariamente por simpatizantes de Jair. 

A suspeita de fraude no leilão do arroz implicou na exoneração de Neri Geller do Mapa. A decisão foi do ministro Carlos Fávaro (PSD). A desconfiança é de que a empresa da qual o filho de Neri seria sócio tenha sido beneficiada pelo ex-secretário, ao arrematar 44% dos lotes do certame. Geller garante que não tem nenhuma participação nas transações, uma vez que ainda não estava no cargo. 

Fávaro sustenta que o desligamento foi "a pedido" de Neri, depois do diálogo em seu gabinete com ele. O ex-secretário contrapõe, afirmando que jamais pediria demissão, já que não tem nenhuma responsabilidade nas supostas fraudes. 

Outro fator que foi determinante para a exoneração foi a relação de Geller com o dono da empresa. Conforme noticiado, Robson Almeida França, proprietário da corretora que arrebatou parte do leilão, é ex-assessor e trabalhou com Neri até 2020, quando ainda era deputado federal, e intermediou o arremate de 90 mil toneladas do grão para três empresas.

 
Sitevip Internet