• Diamantino, 19/03/2019
OPERAÇÃO BERERÉ

Dois deputados de MT são alvos por esquema no Detran; propina era de R$ 1 milhão por mês 417

Gabinete na Assembleia, casas de deputados e escritório em Brasília foram


Fotografia: HiperNotícias

A Delegacia Fazendária e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) deflagraram na manhã desta segunda-feira (18) a "Operação Beberé" para apurar fraudes no Detran de Mato Grosso. Entre os alvos, está o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (PSB), e o também deputado estadual Mauo Savi (PSB).


A casa de Botelho no bairro Bosque da Saúde e seu gabinete no parlamento estadual são alvos da operação. Ainda há outros alvos não confirmados.


Ainda estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão no edifício Campo Dourique, no bairro Santa Rosa. No local, reside o deputado estadual Mauro Savi, que também teve fortes ligações com o Detran na gestão passada.


Em Brasília, o escritório da empresa EIG Mercados seria um dos alvos da operação. A operação tem como base a delação do ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o "Doia". A delação foi firmada há cerca de dois anos, mas somente neste ano foi homologada pelo Tribunal de Justiça.


ESQUEMA


Nos depoimentos aos promotores de Justiça e delegados da Polícia Civil, Dóia teria dado detalhes sobre os bastidores dos supostos esquemas, citando valores de propinas, como e onde o dinheiro era sacado, nomes de quem as recebiam e destinatários finais. Um dos contratos que teria fraudes é o firmado com a emoresa FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação de Documentos Ltda. (atual EIG Mercados Ltda.), responsável pelo registro de financiamentos de contratos de veículos, necessário para o primeiro emplacamento, e que estaria no epicentro de um dos esquemas.


Volumes milionários de dinheiro teriam em tese saído da FDL, em forma de propina, e alimentado uma organização criminosa desde 2009. O irmão do ex-governador Silval Barbosa, empresário Antonio Barbosa, em delação premiada junto a Procuradoria Geral da República, também entregou o esquema. Ele admitiu ter recebido propina relativo ao contrato com a EIG Mercados.


O esquema rendia cerca de R$ 1 milhão por mês de propina. O dinheiro era sacado numa agência do Banco do Brasil no Distrito Industrial, em Cuiabá.

Veja também

(PSL) Senadora se isola, sente reflexo da Senadora se isola, sente reflexo da 'lama" jogada no TRE e põe marido para cuidar do caixa do PSL
NEPOTISMO Barbudo diz que somente familiares são confiáveis para gerir dinheiro do PSL-MT
PACOTÃO DE MENDES Novato: deputados atuais têm legitimidade para aprovar projetos
Nova Mutum Rosariense Altair Albuquerque é eleito presidente da câmara de Nova Mutum
Wener Santos foi convidado para assumir a Secretaria Adjunta de Cidades
SUSPENSO Justiça derruba atos da Câmara e devolve cargo à prefeita de Denise
Publicidade

Copyright © 2013 - 2019 Jornal O Divisor - Todos os direitos reservados